Castanhas – Manjar de Inverno

Receitas

Quentes e boas, é como se querem as castanhas, fruto de inverno, embora nestes tempos de aquecimento global até já se vendam no verão. Cozidas ou assadas são um acepipe incontornável; em pratos mais elaborados enriquecem e adoçam o sabor. Como nesta receita, que as combina com o sabor suave do tofu.

Receita de Castanhas com Tofu

É um estufado muito bom, para quem gosta da mistura de salgado e doce (da castanha). Pode acompanhar-se apenas com bocadinhos de pão para molhar no molho, ou com arroz branco.

É preciso: uma embalagem de 250 gr de tofu, o mesmo peso de castanhas já cozidas ou congeladas (sem casca nem camisa), 1 cebola, 1 pimento vermelho, 1 caldo de legumes.

Fazer um estrugido com a cebola picada. Juntar um pimento vermelho cortado em quadrados e o tofu em cubos. Deixar refogar um pouco e juntar as castanhas. Cobrir com água e juntar o caldo de legumes. Deixar cozer as castanhas e, se necessário, corrigir o tempero de sal. Servir junto à lareira.

Magusto: a festa das castanhas

Não há muitos frutos, legumes ou carnes que dêm nome próprio à refeição em que se consomem – mas se alguém disser “magusto” todos sabemos do que se trata: uma festança de onde os adultos saem bem regados com vinho novo e jeropiga, e os mais pequenos com a cara toda enfarruscada. Transformou-se num ritual comunitário, comer as castanhas com a família ou com os amigos, que ajudam a golpeá-las antes de as meter nas brasas ou no forno. E porque são um fruto de novembro, até ganharam um santo: “Em dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho”. Ou seja, de finais de outubro a meados de novembro (o dia do santo é 11 deste último), quando as estações do ano rodavam tranquilas e previsíveis, estaríamos em posse das primeiras castanhas, preparando-nos para as degustar de forma simples, cozidas com erva-doce ou assadas com sal – e talvez um pouquinho de manteiga, para os mais gulosos. Agora vemos as primeiras com as vindimas, em setembro, e podemos até consumi-las em julho ou agosto, porque já se vendem congeladas.

A castanha, castanea sativa, é originária da Ásia Menor e vem sendo consumida desde a pré-história. Chegou há Europa há milhares de anos e em muitas regiões produtoras, como é o caso da Serra da Padrela e envolventes, onde se situa a maior mancha de castanheiros da Península, e de Trás-os-Montes, onde ainda hoje se localizam 85% dos soutos portugueses, chegou mesmo a substituir o pão e a batata: “Sete castanhas são um palmo de pão”, diz-se na zona. Isto porque há pouco quem não goste de castanhas: fazem parte da sabedoria popular, da alimentação, da toponímia – e até da nossa própria família, se nos chamarmos Castanheira ou Souto.

O fruto – na verdade, a semente dentro do verdadeiro fruto, que é o ouriço – é saboroso e nutritivo. Podem consumir-se mesmo em cru, embora seja mais indigesto. Quando comparadas com as nozes, por exemplo, as castanhas surgem como mais pobres em gordura, mas boas fontes de vitaminas B6 e E, assim como de fibras e amido, ou seja, hidratos de carbono; lá diz o povo, “dá-me castanhas, dar-te-ei banhas”. Mas a verdade é que têm menos gorduras e calorias do que os outros frutos secos.

O seu gosto ligeiramente adocicado e aveludado (depois de cozinhadas – em cruas podem ser amargas) leva a que sejam associadas tanto a pratos doces como salgados: são usadas como acompanhamento de carnes, em sopas, purés, em sobremesas e doces, como o famoso “marron glacé”, que nada mais é que uma castanha caramelizada. A sensação de saciedade que se segue a um banquete de castanhas também não é de desprezar – para alguns, será até de evitar. Deve haver algum cuidado com as combinações, e talvez seja preferível consumi-las sozinhas, ou não as misturar com alimentos pesados, como a carne, para que no fim fiquemos todos amigos.

Existem várias espécies (judia, longal, cota, enxerta, etc.), mas o verdadeiro amigo da castanha gosta de todas, até porque “a castanha é de quem a come e não de quem a apanha”, provérbio pouco democrático que usa este fruto como um saboroso exemplo de oportunismo. A verdade é que esta é das poucas árvores cujos frutos podemos colher do chão, já que, quando maduro, o ouriço cai no solo e abre-se, facilitando a extracção da parte comestível.

Adaptado de texto publicado no magazine Fugas, do jornal Público


Pub


Quando viajo faço sempre um seguro de viagem pela Nomads


olga Novembro 24, 2012 às 19:02

Amiga,só me falta a lareira :-)
Saudades …

Responder

isabel Novembro 26, 2012 às 22:54

Para mim, as mais belas paisagens. E o melhor manjar.

Responder

Comedores de Paisagem Fevereiro 1, 2013 às 11:47

Isabel, tu és uma verdadeira comedora de paisagens …

Responder

Maria Rosario Febra Novembro 29, 2012 às 0:52

Adorei o conceito

Responder

Comedores de Paisagem Fevereiro 1, 2013 às 11:43

Eu também! Obrigada!

Responder

Fernando Oliveira Novembro 17, 2013 às 16:53

Olá!
A mim, além da lareira, também faltam as castanhas e os outros ingredientes. :-)
Gostei imenso do texto e das fotos [então, a foto do castanheiro… estupenda!].
Saudades de ti! .-)
Abraço.

Responder

Comedores de Paisagem Janeiro 27, 2014 às 18:38

Obrigada, Fernando!
Vamos plantar castanheiros um dia destes com o CRE?
😉

Responder

Deixe o seu comentário!