Mulheres de Viagem

Coisas do Mundo

Ao contrário do que nos fazem saber, muitas vezes de maneira subliminar, viajar é bem mais seguro para uma mulher do que para um homem. E viajar sozinha é uma experiência única, sem nada de assustador…

À boleia na Capadócia. Sem perigo de vida.

A pedido de várias famílias, já teci vezes sem conta considerações sobre “os perigos” de uma mulher viajar sozinha; já jurei que não havia problemas especiais, provei que era tratada nas palminhas, demonstrei com estatísticas e gráficos coloridos que a relação entre o género e a deslocação geográfica não é, de todo, desfavorável às mulheres. Mas as pessoas continuam a rezar a mesma oração: a Oração da Fraqueza.

Se dermos ouvidos a estes génios formados pela Universidade TV – e há muitas mulheres entre eles – uma mulher sozinha é instantaneamente violada mal põe o pé fora de qualquer aeroporto, em qualquer dos três maiores continentes do mundo; se assim não for teve muita sorte, mas terá de fazer vigilância cerrada em todas a direções porque os homens vão andar atrás delas e podem tornar-se violentos – e toda a gente sabe que uma mulher é fraca e não se sabe defender.

Depois temos o problema número dois: os roubos. Uma mulher pode ser roubada com toda a facilidade porque é fraca e não se sabe defender, e os ladrões podem ser violentos.

Um terceiro problema específico, mais recente, e que aparece juntamente com os outros dois, é o dos países islâmicos: aí, uma mulher sozinha pode ser atacada, raptada e morta, porque eles não gostam de ver mulheres na rua – e a mulher é fraca e não se sabe defender.

Se juntarmos a tudo isto os problemas que os homens também partilham, como seja a possibilidade de adoecer e ver-se sem apoio, a dificuldade em comunicar naquelas línguas estranhas, etc. temos uma imagem tão terrífica da viagem em solitário para o género feminino, que mais vale ficar em casa a ver o canal Odisseia.

Pois bem, mais uma vez: é exatamente o contrário. Sobre o problema da violação, nos dias que correm é melhor não fazer juras quanto à relação risco/género; digamos apenas que depende da situação e do local. E a menos que se pretenda viajar para um cenário de guerra, onde tudo pode acontecer a qualquer um, em situação normal as mulheres são avisadas sobre as zonas perigosas (mesmo quando não são assim tanto), protegidas e postas em primeiro lugar, em caso de dificuldades. Nos países islâmicos, meus senhores e minhas senhoras, é considerada uma grande cobardia e uma vergonha atacar fisicamente uma mulher, e até a maior parte dos grupos radicais de analfabetos que se auto-intitulam “islâmicos” se esquiva a utilizar a violência sobre estes seres tão frágeis – pelo menos em público. E é justamente nestes países, em que existe maior desigualdade social entre homens e mulheres, que nos vêm trazer água e refrescos quando a camioneta avaria, que nos vão buscar a única cadeira da sala de espera, que passamos à frente nas filas. Às vezes basta fazer a voz mais fininha, e temos logo um lugar sentado no autocarro. E quem é que nunca arredondou os olhos para um funcionário, queixando-se do desconforto e do calor, só para obter um visto na altura e não ter de vir buscá-lo mais tarde?

Já os homens, estão entre iguais, que se arranjem. Têm mesmo é de mostrar que não sofrem, para não serem olhados de lado e desprezados.

Sejamos realistas: o maior risco que uma mulher corre em viagem é o de ter um acidente, sobretudo de viação. Conduções loucas, veículos fora do prazo, para dizer o mínimo, é isso que constitui o maior perigo de vida para quem viaja, sobretudo em países menos desenvolvidos. O mesmo de um homem, portanto.

Quanto à fraqueza feminina, a menos que estejamos a falar de um judoca/Karateka de sangue frio, gostava de ver um homem defender-se de um ou dois meliantes que o apanhem sozinho num canto escuro, verdadeiramente decididos a assaltá-lo. Para além do mais, parece-me que, por serem tão destemidos, muitos machos têm tendência para se meterem em situações de risco mais facilmente do que as mulheres. E ainda por cima consta que têm vergonha de chorar e de pedir ajuda, duas atitudes que podem ser de extrema utilidade em certos casos pontuais. Que bom ser fraquinha!


Pub


Quando viajo faço sempre um seguro de viagem pela Nomads


Rita Maio 9, 2016 às 12:31

bom saber que há mais portuguesas como eu a viajar pelo mundo sozinhas e a boleia e ainda para mais vegetarianas :) muito interesantes os teus artigos

Responder

Comedores de Paisagem Maio 25, 2016 às 14:45

Há mais, sim, Rita! Não estamos sozinhas!
Um abraço e passa sempre por aqui!
:)

Responder

Tânia Junho 10, 2016 às 3:05

É mesmo isso! Só experimentando é que percebemos que afinal, os receios iniciais quase sempre não fazem sentido nenhum. Ainda bem!

Responder

Comedores de Paisagem Junho 16, 2016 às 13:57

Ora ainda bem que anda aí quem concorda comigo! 😉

Responder

Conceição Julho 14, 2016 às 11:36

Difícil é dar o passo. A vontade de viajar sozinha já existe há tanto tempo, mas concretizar parece dificil… Mas tenho a certeza, se bem me conheço, que quando o fizer não vou querer outra forma de viajar. Mas de repente, aos 50, parece um passo para um mundo desconhecido e selvagem… tenho de arriscar. Obrigada pelo texto motivador.

Responder

Comedores de Paisagem Julho 14, 2016 às 15:24

É começar por um destino que lhe seja mais familiar, Conceição. Europa? Brasil? Cabo Verde? O mundo é desconhecido e selvagem, mas também é muito mais acolhedor do que se possa pensar… 😉

Responder

Maria Leonor Henriques Setembro 1, 2016 às 5:07

Que interessante ler coisas que fazem tido o sentido! Acabo de regressar às viagens que fiz, tambem sozinha, há mais de 40 anos.
Uma aventura, uma grande licão de vida. Acreditem que passei decadas a viajar com amigos, colegas, familiares. E de todas trazemos boas recordacoes. Um dia percebemos que o desafio é
Partirmos sós…num teste à nossa capacidade organizativa, criativa, defensiva e sobretudo numa demonstracao de coragem. E
é ai que percebemos que as nossas limitativas caem por terra. Nao hesitem, nao desistam, VĀO. E será uma inolvidavel experiencia! Sob ponto vista humano, histórico, sociológico, cultural, artístico…Sim, tem um enorme perigo: o de nao lhe apetecer regressar, esta-se tao bem, com tanta serenidade e prazer, sem cedencias nem negociacoes…O perigo è a vontade de voltar a fazer o mesmo!!! Porque a liberdade é um luxo e viciante!
Tenho 60 anos, a caminho dos 61, e agora, perdido o meu grande companheiro das viagens de uma vida, voltei a estrada rD
sozinha…Com o mesmo entusiasmo com que :/ as projectava aos 18/20 anos. Estive recentemente na magnifica Polonia que amei, durante 12 dias, num empogante Inter-rail por todo o pais. Pontos negativos? 0!!! Nao

Pouco se percebe a lingua e??? A nossa sensibilidade e facil sorriso fazem magres. O resto é usufruir, aprender, interagir, socializar… Nao tenham medo. Se Deus me permitir voltarei a faze-lo, e é já no fim do ano😉 Em boa verdade sò estarâo sós quando quiserem e há tanta gente estimulante e Interessante por esse planeta fora para conhecer! Estou ao dispor para desfazer esses tabus e medos…A vida nao nos dá segunda oportunidade. Convem nao deixar para amanha , que pode ser tarde! Bora meninas corajosas!!! Maria Leonor Henriques

sorriso

or todo o pais.

Maria

As

Responder

Comedores de Paisagem Setembro 2, 2016 às 11:32

Leonor, lamento a sua perda, mas confesso que fiquei feliz por saber que continua a caminhar sozinha! :)
E é isso mesmo: o GRANDE PERIGO é não apetecer regressar! Adorei!!!! :)

Responder

Bárbara Julho 30, 2016 às 22:01

Olá boa noite!
Desde já felicito-a pelo texto!
Eu estou aqui meia indecisa e a precisar de incentivo!! 😊
Estou a menos de 24h de marcar ou não voo para a Tailândia e Singapura…
Pela primeira vez estou quase decidida a viajar sozinha.. Mas o receio de bichinho está a passar a bicho, ainda não é monstro!! Ainda por cima o voo faz escala em Istambul.. Uma delas de 7h!!!!
Obviamente que já deve ter passado por esses locais..
Algum conselho?
Agradeço desde já!

Responder

Comedores de Paisagem Setembro 2, 2016 às 11:23

Espero que tenha viajado, já que não tive tempo de lhe responder a tempo e horas! 😉

Responder

Bárbara Setembro 3, 2016 às 10:41

Obrigada!!! Sim fui!!! Sozinha!!! Tailândia e Singapura!!!
Posso dizer que a limitação está mesmo dentro de nós!!! Tenho a perfeita noção que por ser mulher acabei por ter ajudas e facilitismos que não teria se fosse homem! 😂
Já fiz várias viagens para outros continentes mas esta foi especial, novo continente e pela primeira vez sozinha! Posso dizer que foi a melhor de todas!!!
Aconselho todas as mulheres a fazerem pelo menos uma vez na vida, vimos de lá totalmente diferentes!!! Só custa marcar a viagem de avião, depois tudo se encaixa!!!

Boas viagens

Responder

Comedores de Paisagem Setembro 5, 2016 às 15:18

Ora aí está: “a limitação está dentro de nós”. Somos bombardeadas com tudo o que nos posso meter medo, e o resultado, muitas vezes, é a paralisia total. Fico muito contente, Barbara, em saber que fez uma viagem fantástica! Vamos à próxima? 😉

Responder

Sofia Gasparinho Agosto 12, 2016 às 23:12

Boa noite. Gostaria muito de vir a viajar sozinha, mas confesso que vejo o facto de ser do sexo feminino uma limitação… todos os gozos durante a viajem que nos permitem poupar dinheiro como as boleias ou couchsurfing tornam-se algo impossível, especialmente para uma jovem de 20 anos. Como aconselha contornar este obstáculo?

Responder

Comedores de Paisagem Setembro 2, 2016 às 11:29

Sofia, lamento que essa ideia permaneça, apesar de eu e muitas outras sermos a prova viva de que os riscos para uma mulher viajar sozinha são MENORES do que para um homem… e ainda lamento mais que deixe que isso a impeça de viajar. Se depois de ler o que escrevi (leu?) continua a pensar da mesma maneira, acho que não posso dizer mais nada. Se quiser por questões concretas, esteja à vontade…

Responder

Raquel Cruz Setembro 15, 2016 às 17:48

Muito bom! :)

Responder

Patricia Setembro 21, 2016 às 16:07

Concordo plenamente.
A minha ultima incursão sozinha foi para o Algarve em trabalho e obviamente aproveitei para passear um pouco.
Não posso comparar o Algarve (Portugal) com países Orientais, pois vivemos numa sociedade dita “segura”, mas nunca estou e nunca irei estar dependente de um homem para ir seja onde for…

Responder

Sofia Santos Março 6, 2017 às 20:50

Boa noite a todos!
É assim eu tenho 20 anos, acabei de os fazer. E tenho a ideia de viajar pela Europa do Leste para uma primeira viajem sozinha. Aconselha-me algo?
Sinto que cheguei à altura de ver novas coisas, e de realmente conhecer melhor o nosso lindo Planeta.
A minha ideia é visitar a Bulgária, Hungria, Austria, Grécia e talvez Istambul na Turquia que é uma cidade que me fascina imenso. O meu budget é de 800€(talvez um pouco mais se trabalhar) durante o mês de Julho e Agosto deste ano. O que pensa disto tudo?

Responder

Comedores de Paisagem Maio 9, 2017 às 11:01

Sofia, acho fantástica essa vontade de viajar. Mas o meu conselho seria para ir devagar. Uma regra que pode utilizar é a de que qualquer país vale um mês; isto se o quiser conhecer minimamente. Não é uma regra rígida, claro, mas se quer enfiar seis países em dois meses, vai acabar com fotos mas com poucas memórias… se quiser contactar pessoalmente, pode usar a minha página do Facebook.

Responder

Sara Maio 19, 2017 às 23:49

Amanhã lá irei eu para a minha primeira viagem sozinha 😊 Dubai!!! O que acha deste destino?

Responder

Comedores de Paisagem Maio 24, 2017 às 10:31

Olá Sara – boa viagem! Sobre o Dubai, não acho nada porque não conheço. 😉 Depois conte!

Responder

Cancel reply

Deixe o seu comentário!