O Mundo segundo a Arte da Terra

Coisas do Mundo

O atelier Arte da Terra recria o mundo segundo duas visões: a de Maria Carvalho e a de José Teixeira, os dois artistas que partilham o espaço e a vida na aldeia de Paradela do Rio, nas proximidades de Montalegre (Trás-os-Montes). O material é o barro, a terra, que contém toda a natureza das coisas: as árvores, as flores e nós, os bichos.

A Arte da Terra de Maria e José

Maria cria Feiticeiros de cara longa, presépios natalícios com burricos de ar inocente e orelhas espetadas, ao lado de ovelhas sorridentes que parecem ronronar no aconchego da casa. Não são precisas explicações: a expressão das Famílias, dos Namorados ou dos Satisfeitos, transmitem imediatamente o essencial – até podíamos ser nós a dar-lhes o nome. Há luas habitadas e uma série de Montes de Sonhos, onde criaturinhas saltitam e esbracejam de felicidade sobre montículos de barro. Nas flores de cerâmica admiramos a beleza da forma insólita e o decalque quase infantil das estruturas naturais.

Das peças do José percebemos que tudo o que cria está obviamente em ligação direta com que se passa no mundo, e resulta de uma crítica social provocadora e de reflexões geralmente bem-humoradas: a coleção História de Vida, com homenzinhos em poses do dia-a-dia que apanham letras como quem apanha borboletas, percorrem os labirintos de cada um e sobem escadarias; organizam manifestações e guerras, caminham sozinhos pela borda de precipícios de barro – as imagens são tão simples que nos remetem imediatamente para uma história por trás.

Quanto mais simples é a personagem, como os homúnculos de casaco branco, mais profundo é o conto; quanto mais detalhada e graciosa, como os jericos sorridentes ou as flores, mais nos fixamos na beleza rude das formas.

Vale a pena visitar Paradela do Rio só para conhecer o atelier Arte da Terra, que fica na Rua do Fundo da Rua, logo a seguir à Rua Principal (os nomes são mesmo assim).

Para chegar a Montalegre a partir do Porto, deve seguir em direção e Guimarães e depois a Vila Pouca de Aguiar e Chaves, saindo para a N103 em direção a Boticas e Montalegre. Para chegar a Paradela do Rio, encontra as dicas na página online do projeto, em www.artedterra.com.

Adaptado de artigo publicado no magazine Fugas, do jornal Público.


Pub


Quando viajo faço sempre um seguro de viagem pela Nomads


Deixe o seu comentário!