Kas: a Turquia em azul e verde

Destinos

Kas é um pequeno paraíso na costa sul da Turquia, onde é difícil decidir entre ficar em terra ou ir para o mar. E ali próximo fica Simena, uma cidade submersa numa água azul tão transparente que podemos ver as ruínas no fundo…

EPV0096_resize

Kas: um paraíso na Turquia

Kas fica no sul da Turquia e não tem boas praias – mas quem é que precisa disso quando há uma frota de barcos de vários tamanhos à disposição, para nos levar até ao meio do mar? Depois é só deitar na água quente, mergulhar em busca de um dos muitos barcos afundados junto à costa, ou nadar por ali, com vistas para um litoral pedregoso e recostado, coberto com uma manta verde de arbustos de onde despontam estranhos túmulos lícios.

O antigo reino da Lícia tinha o seu centro entre as atuais cidades turcas de Fethiye e Antália. Para além das ruínas de Xanthos, a capital, e do templo de Letoon, os lícios deixaram atrás de si um rasto de túmulos de desenho único, que ainda se encontram espalhados pela paisagem. Alguns são gigantes, como o Túmulo do Rei, outros foram escavados em paredes de pedra; de formas simples mas de aspeto robusto, são tão enigmáticos como este povo que já desapareceu há muito.

Persas, gregos e romanos marcaram a história local, e Kas exibe ainda um pequeno teatro grego nos arredores da povoação. Mas as suas ruelas empedradas, de casas rústicas e bem preservadas, são só por si um atrativo e uma agradável surpresa para quem procura no sul da Turquia um local mais sossegado que a vizinha cidade de Fethiye, de onde saem os famosos cruzeiros da Riviera Turca. Acolhedora e cuidada, a povoação já não passa despercebida, mas apesar do turismo já ter chegado há muito, e com ele um sem número de restaurantes e lojas, manteve o charme de um lugar arcaico, com as suas varandas de madeira e as buganvílias carregadas de flores.

A umas horas de barco fica a ilha de Kekova e as ruínas da cidade de Simena, submersas (mas visíveis) depois de uma série de terramotos no século II a. C. Escadarias, arcos e muros de pedra, são o que ainda podemos ver a sair do chão e da água, ampliados pela água transparente do mar. Do outro lado fica a povoação de Kalekoi, encimada por um castelo de cruzados, que é um daqueles sítios que parecem feitos para caberem num postal: o pequeno castelo muralhado no cimo da colina, os telhados vermelhos das casas baixas que descem até à água embrulhadas na vegetação e, do lado direito, um punhado de túmulos lícios.

E felizmente não há nada para fazer, a não ser sentir o sol e o mar na pele, encher os olhos de verde e azul, o nariz dos cheiros mediterrânicos que saem dos arbustos e das pedras, e ver – sobretudo ver – com o que é se parece a perfeição.

 

 


Pub


Quando viajo faço sempre um seguro de viagem pela Nomads


Buenas Dicas Julho 14, 2015 às 15:10

Adorei o nome do blog! Entrei por isso, mas estou aproveitando pra planejar minha viagem pra Turquia também. 😉

Responder

Comedores de Paisagem Julho 14, 2015 às 15:48

Vamos lá comer paisagens para a Turquia! :)

Responder

Deixe o seu comentário!