Os Anapurnas vistos de Poon Hill

Destinos

O trekking de Poon Hill, no Nepal, é um clássico. Começa nas proximidades de Pokhara, não tem uma altitude que cause grandes problemas e oferece belíssimas vistas sobre os Anapurnas.

O sagrado Machapuchare, interdito aos alpinistas

 Poon Hill, miradouro dos Anapurnas

Ao tomar o pequeno-almoço em Pokhara, é difícil imaginar onde estaremos horas depois, quando começar a nossa caminhada até Poon Hill. Em breve deixaremos o barulho do trânsito, o conforto dos quartos aquecidos e da comida internacional, da pizza às especialidades locais; Pokhara, tal como Katmandu, a capital do Nepal, há muito que se transformou num gigantesco campo-base onde se pode comprar todo o tipo de equipamento para trekking, fervilhante de lojas, agências e freelances que se oferecem como guias e carregadores – alguns sem nunca terem saído da cidade.

O mergulho na natureza só começa quando o minibus nos deixa em Nayapul, atravessamos a ponte e apresentamos a Autorização de Trekking (TIMS card) e o bilhete de entrada no Parque Nacional dos Anapurnas (Annapurna Conservation Area Permit). Pela nossa frente estão cinco fantásticos dias de esforço até atingir a altitude máxima de 3.210 metros em Poon Hill, um espantoso miradouro em 360 graus sobre a cordilheira dos Himalaias.

O trilho é feito de terra e pedra, muitos degraus, escadarias imensas que o transformam numa estrada para peregrinos, penosa e que se faz merecer, até alcançar a verdadeira Morada das Neves – a tradução livre da palavra Himalaias. Alguns picos, como o Machapuchare (Cauda de Peixe), cuja estranha forma justifica o nome e o seu caráter sagrado, parece criado por um deus brincalhão. Penachos de neve arrebatados dos picos pelo vento confundem-se com as nuvens brancas, que habitualmente chegam de tarde e escondem o cimo dos montes.

Começamos junto ao rio, por um estradão fácil que nos faz entrar numa região esparsamente habitada. Nesta zona, aldeias e arrozais estão instalados até cerca dos 2.000 metros de altitude, alternando com alguns bosques que escaparam à razia voraz dos fogões a lenha nepaleses. Os Himalaias não são sempre a sucessão de picos brancos e impressionantes que imaginamos; também são feitos de bambus e arrozais, de rios que rasgam gargantas de pedra em cascatas e se despenham dentro de bosques frondosos e escuros. Ao longo do trekking podemos apreciar toda esta progressão geográfica na paisagem: vales mimosos esculpidos em socalcos perfeitos para a plantação de arroz e milho-miúdo, quintais onde floresce o cardamomo e os rododendros, e lá no alto, as gigantescas pirâmides de rocha que ultrapassam os 8.000 metros.

Cá em baixo, encontramos os pequenos aglomerados de pedra das aldeias com nomes fascinantes e misteriosos – Tikedungha, Ghorepani, Gandruk -, gente de pouca estatura mas muita fibra, crianças curiosas e educadas, e o maravilhoso cheiro a fumo que sai das cozinhas e antecede refeições reconfortantes. A oferta de lugares para dormir e comer é muita, mas o trekker/peregrino não vem aqui procurar hotéis de luxo ou spas; a ocasional chuveirada de água quente ao final do dia é mais que suficiente para retemperar o corpo, e fazer-nos desejar que a manhã chegue depressa para seguir caminho.

Para chegar ao miradouro de Poon Hill a tempo do esplendor da aurora, é preciso sair ainda durante o frio da noite, apenas com a orientação do frontal, e seguir os outros pirilampos gigantes que já sobem monte acima. Não podemos contar com o lugar só para nós, já que este é um dos pontos mais procurados por quem quer ver muito, em pouco tempo – o mistério é imaginar para onde foi aquela gente toda, quando continuamos o caminho de novo sozinhos até Gandruk.

O espetáculo natural da luz a levantar-se sobre os montes, a cordilheira a mudar de um branco quase transparente para um laranja vivo, os montes mais próximos a saírem de uma linha azul escura para tomarem a cor da terra, as árvores a revelarem folhas e agulhas quando há minutos atrás eram manchas negras, o céu a passar do índigo ao verdadeiro azul-céu – toda a tensão entre o dia e a noite é aqui revelada em luz e cores. Para onde quer que se olhe, há sempre algo em mudança.

Depois vem a parte difícil: o momento de descer e seguir caminho. Decidir que não esperamos para ver a nuvem passar na frente do Anapurna Sul, ou o momento em que o Machapuchare, lá longe, sair completamente da sombra. Decidir que se o vento limpou as nuvens e sacode as bandeiras de oração sobre o caminho, isso é um sinal para continuarmos. Há muito mais para ver até regressarmos a Nayapul e ao conforto de Pokhara. Há mais aldeias e bosques com a luz coada por cortinas de ramos, troncos habitados por folhas que não lhe pertencem, aldeias de pedra equilibradas na ponta de escadarias.

E uma interminável descida através dos socalcos dos arrozais, com os picos cada vez mais brancos a espreitarem por trás de colinas cada vez mais verdes, cada vez mais longe, cada vez mais uma miragem. Mas inesquecíveis.

 

 


Pub


Quando viajo faço sempre um seguro de viagem pela Nomads


Tino Janeiro 29, 2016 às 23:19

Mas que maravilha. Como gostava de ir espreitar esse miradouro!…
Obrigado, Ana, por este cheirinho de fotos e palavras maravilhosas. Bjo.

Responder

Comedores de Paisagem Fevereiro 4, 2016 às 9:53

Nem assim uns 15 dias de viagem, Tino, com um cheirinho de Índia e outro de Nepal não? :)
Já merecias…

Responder

Deixe o seu comentário!